Saiba como otimizar o treino de seu time

Posted: 29 de July de 2014 in Xs And Os
Tags: , ,

Treino

Creio nem ser preciso enfatizar a importância que o período de treino tem para os times de futebol americano. Afinal, em um esporte complexo como o nosso, perfeição não é o suficiente para qualquer equipe que queira atingir o sucesso. Mas como usar ao máximo essas horas em que os atletas estão à disposição da comissão técnica, especialmente no Brasil, onde mais de um treino semanal é algo considerado artigo de luxo?

Não só como técnico de futebol americano mas também como jornalista e fã, já tive a oportunidade de acompanhar sessões de treino nos três principais níveis de prática da modalidade nos Estados Unidos: High School, College e NFL. Fazendo um apanhado dessas experiências e tentando adaptar para a nossa realidade, pretendo dar algumas dicas simples para otimizar seu programa de treinos e extrair uma melhor performance da equipe.

O normal no Brasil era termos treinos que duravam quase 4 horas, no entanto, se contássemos o tempo efetivo de atividade, não chegava nem na metade. Por isso, acredito ser mais produtivo ter um treino de alta intensidade e com os atletas totalmente focados durante um período mais curto do que desperdiçar tempo precioso.

Programe-se

O primeiro passo para um treino decente é saber o que você quer atingir com essa atividade. Planejamento é fundamental para aproveitar cada segundo disponível, afinal você não deve perder tempo de treino pensando no que fazer no próximo drill.

Aliás, você deve criar um planejamento ainda mais amplo, pensando em que aspectos do seu time você pretende desenvolver, então espalhar esses objetivos no calendário. Isso facilita a programação não só dos treinos, mas também de todo o ano.

Monte uma equipe

Sei que, se já é minúsculo o número de pessoas que se dedicam apenas a ser treinador, menor ainda é a possibilidade de você ter vários técnicos disponíveis em sua equipe para formar uma comissão técnica. Mesmo assim, você vai precisar de ajuda para executar este tipo de plano de treino.

Caso não haja coordenadores e assistentes à sua disposição, chame atletas com perfil de liderança em cada posição para lhe ajudar. Sente com eles antes de cada treino, explique o planejamento para o dia e dê instruções detalhadas para cada drill programado. Esses caras serão os responsáveis por explicar os exercícios aos colegas e ajudar a policiá-los, para que executem de forma correta.

Pontualidade

Se o treino começa, digamos, às 14 horas, o atleta já está atrasado se chegar ao campo às 13h45. Todos sabem que leva tempo para colocar todo o equipamento, por isso atrasos não podem ser tolerados. Um só jogador que chega tarde pode colocar por terra todo o seu planejamento para o dia. Portanto, não permita. Deixe-o de fora de alguns períodos como punição, quem perde é ele.

E se os atletas não podem estar atrasados, muito menos você. Esteja preparado para apitar às 14 horas em ponto e iniciar o treino.

Divida o tempo

Digamos que o seu treino terá duração de 2h (para mim, a quantidade ideal). Divida, então, esse tempo em período de 5 minutos, e tenha alguém (talvez você mesmo, ou um atleta que não esteja participando) para ficar de olho no relógio e acionar um sinal sonoro (apito, buzina de ar) ao fim de cada 5 min, seguido da identificação do período (um grito, tipo, “fim do período 1!”).

Isso não quer dizer que você só terá apenas 5 minutos para fazer cada coisa. Alguns drills são mais importantes do que outros, ou contarão com mais atletas na participação, consequentemente necessitam de mais tempo. De acordo com o seu planejamento, você dedicará um número X de períodos para cada atividade, o que facilita na hora de sincronizar as ações do time.

Trabalhe do específico para o geral

O ideal é que você comece seu treino com drills específicos por posição. Logo após o aquecimento, cada um daqueles caras que você escolheu para coordenar as atividades irá para um ponto específico do campo, levando com eles os companheiros de posição. É como se você desmembrasse o time, para ir juntando os componentes ao longo da atividade.

Tomarei a defesa como exemplo. Nos períodos iniciais, separe DL, LBs e DBs para trabalhar em técnicas específicas de posição. Mais tarde, você pode juntar LBs e DBs para trabalhar em cobertura, e fazer um drill conjunto da DL com a OL. E apenas depois disso passar para atividades que envolvam a unidade toda.

Chip Kelly, Head Coach do Philadelphia Eagles, gosta de misturar os períodos individuais com os de time. Ele junta todo mundo para, digamos, dois períodos de 5 min de 11 contra 11, e depois desmembra novamente. Já Raheem Moris, técnico do Tampa Bay Buccaneers quando tive a chance de acompanhar o treino, ia apenas do específico para o geral, terminando o dia com as atividades de time.

Espalhe as pausas para água

Hidratação é algo importantíssimo e toda aquela história de “água é para lavar o sangue de seu uniforme, e não estou vendo sangue no seu uniforme” ficou no passado. Você deve programar várias pausas para água durante o treino. Mas não confunda isso com descanso.

Parar o time todo para reidratação é um grande erro. Afinal, dificilmente 60 caras conseguirão beber água ao mesmo tempo. Portanto, espalhe esses períodos para água de forma que pequenas unidades parem em momentos diferentes. Isso evita a distração e conversa paralela, e ajuda a manter o foco do treino.

Puxe o ritmo

Com o planejamento em mãos e ciente do que será trabalhado em cada período, você sabe exatamente o que vai rolar a seguir. Ao soar do sinal sonoro, se certifique de que os atletas trotem até a parte do campo onde vai acontecer o próximo drill, e esteja pronto para explicar a próxima atividade imediatamente.

Claro que você não quer levar seus atletas à exaustão, por isso é importante cadenciar a intensidade de cada drill ao longo do treino. Após uma atividade de perseguição, em que os LBs estão correndo à toda velocidade, coloque-os para trabalhar em técnicas de mãos para pass rush, por exemplo, algo que quase não exige do sistema cardiorrespiratório. E por aí vai.

Você pode intercalar os drills puxados com períodos para instalação de jogadas ou instrução verbal sobre assignments específicos de cada posição. Assim não vira “uma feira” no meio do treino, com gente sem foco ou jogador deitado no chão.

Ninguém anda em campo

Sempre que possível, faça a hidratação ou qualquer outra atividade na sideline. A partir do momento em que o atleta pisa em campo, ele está lá para trabalhar. Não é passeio, não é um hobby de fim de semana. Por isso, deve-se correr para dentro e para fora do campo. Cada movimentação, seja para participar de um novo drill após determinado período, deve ser feita em um trote, com intensidade. Lembre-se, serão apenas duas horas.

Seja criativo

Os atletas normalmente não conseguem permanecer focados. Portanto, se você os deixar 30 min fazendo o mesmo drill, a performance vai decair. Digamos que Punt Return seja extremamente importante em seu planejamento. Não dedique 8 períodos consecutivos a isso. Use 4, e depois de algum tempo com outra atividade, retome o Punt Return com mais 4.

Saiba comunicar

Se você chegar no próximo treino e tentar implementar tudo isso de cara, vai ser frustrante e você vai me xingar dizendo que não funciona. Para dar certo, os atletas precisam estar cientes de como isso vai funcionar.

Explique essa dinâmica dos períodos, principalmente o senso de urgência com o qual eles precisam ir de um drill para outro. Com o tempo, as coisas vão fluir no ritmo correto.

Não dá tempo de passar toda a programação para o time antes de cada treino. Minha sugestão é imprimir uma folha com o que vai rolar e colocar em um lugar a que todos tenham acesso. Encoraje os atletas a verificar essas informações antes do treino.

Advertisements
Comments
  1. Gleyson says:

    Excelentes dicas Coach, parabens!!!

    Like

  2. Boa tarde Dias,

    gosto muito do seu blog e o acompanho.
    Interessante suas dicas, mas gostaria de questionar uma. Trabalhe do específico para o geral. Concordo que essa metodologia ajuda bastante, mas isso depende do objetivo do treino, em várias ocasiões podemos utilizar justamente o oposto, o geral para o específico, minimizando assim, às vezes, a limitação de possibilidades e permitindo que o aluno/atleta crie sua própria percepção do que está acontecendo. Ou também podemos fazer um misto,

    Mas como dito, isso depende do objetivo.

    Like

    • Matheus Dias says:

      Oi Lincoln, tudo bem?

      Com “do específico para o geral”, quis dizer partindo dos fundamentos de cada posição, separadamente, para depois fazer atividades com o time completo. É uma constante que vi na maioria dos times americanos, e o fato de estar no começo do treino tem um propósito especial: o foco do jogador. É mais fácil controlar e ter todo mundo envolvido quando trabalhamos com pequenos grupos. Colocar a galera junta já no começo do treino dá mais margem para conversas paralelas, colocar o papo em dia quando não se deve, essas coisas. Mas entendi o que você disse e, certamente, faz sentido. Especialmente se seu grupo for de iniciantes. Aí é vantajoso trabalhar algo em conjunto para que eles possam perceber o funcionamento das dinâmicas do jogo como um todo, para depois entrar nos detalhes.

      Obrigado por acompanhar. Abraço!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s